Com risco de rompimento de barragem, prefeito mineiro relata dificuldades em entrevista à Rádio CNM Terça, 26 de março de 2019.

26032019 barragem Barão Cocais EBCMuita preocupação: essa é a definição do momento vivenciado pela população da cidade mineira de Barão dos Cocais, principalmente nos últimos dias. A possibilidade iminente de rompimento de uma barragem de rejeitos que afetaria cerca de 9 mil pessoas tem tirado o sono da comunidade. Diante disso, a prefeitura se mobilizou, mesmo em situação financeira crítica, para definir ações em parceria com a Defesa Civil que possam treinar cidadãos para situações de emergência. Em entrevista à Rádio CNM, o prefeito Décio Geraldo dos Santos explicou que a barragem está no nível 3, ou seja, pode ceder a qualquer momento.

Para evitar que isso ocorra, foi cogitada a possibilidade de construir um muro como forma de contenção. “A informação da construção de um muro foi nos passada pela Vale, que está pensando em fazer um projeto, mas se tiver um rompimento de passagem nesse momento não daria tempo de construir essa estrutura. A situação é difícil”, detalhou o gestor.

Diante do risco iminente, o prefeito explicou que pediu apoio da Defesa Civil do Município e também do Estado para orientar as pessoas da cidade em caso de rompimento da barragem e assim evitar tragédias como as que ocorreram em Brumadinho e em Mariana. “A gente está o tempo todo com a população. A Defesa Civil está ministrando palestras informativas e treinamentos para a comunidade. As pessoas que ficam em áreas de possível inundação precisam saber para onde tem que correr, caso haja o rompimento da barragem. São em torno de 9 mil correndo esse risco de um total de 32 mil da cidade”, explicou o prefeito.

Fiscalização
O chefe do Executivo municipal destacou que esse tipo de construção de barragem do seu Município é um problema a ser resolvido. Para o gestor, a fiscalização precisa ser mais rigorosa, mas lembrou que isso não ocorre muitas vezes por falta de estrutura em órgãos do governo federal que teriam essa finalidade.

“Só para saber como barragem dá problema: a do meu Município está desde 2008 sem receber nenhum rejeito. Todas as barragens têm atestado de segurança. Teoricamente, tem fiscalização. Só que o Município não tem acesso a isso e os órgãos federais que acompanham esse processo estão sucateados e, nesse caso, não se tem a fiscalização que deveria ter”, reforçou.

Dificuldades financeiras
As ações de prevenção e orientação da população só estão saindo do papel por causa de um enorme esforço da prefeitura e de órgãos colaboradores. O prefeito citou o difícil cenário que o seu Município tem vivenciado, principalmente com a escassez de recursos. A situação só complica com a falta de repasses. Recentemente, o governo de Minas Gerais propôs um parcelamento em até 35 vezes do que deve aos Município. Para o gestor, esse acordo é inviável diante da urgência de honrar compromissos.

“Barra dos Cocais deve ser um dos Municípios que mais perdeu arrecadação em Minas Gerais. A gente foi a primeira cidade de Minas a decretar calamidade financeira e agora calamidade pública. O Estado nos deve mais de R$ 14 milhões. Isso significa quase 5 folhas de pagamento dos servidores. É praticamente impossível trabalhar dessa forma. É uma covardia essa situação”, desabafou o prefeito. Ouça aqui a íntegra da entrevista.

 

 

Por: Allan Oliveira

Da Agência CNM de Notícias

Voltar