Com informações precisas, radar brasileiro auxiliará na prevenção de desastres Sexta, 02 de julho de 2021.

ABrO novo radar meteorológico brasileiro, que gera informações precisas sobre eventos que podem causar desastres, foi inaugurado nesta quinta-feira, 1° de julho, durante a comemoração dos dez anos do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais. Os dados combinados a outras fontes aumentarão a capacidade de prevenção e de emissão de alertas antecipados para os Municípios.

O desafio de desenvolver um radar, muito restrito aos países desenvolvidos, foi superado no Brasil. Com área de cobertura de 400 quilômetros de raio, o Radar RMT 200 está instalado na futura sede do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), unidade de pesquisa subordinada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI).

Agora, as informações agregadas aos relatórios de pluviômetros, estações hidrológicas e sensores geotécnicos, além de outros instrumentos instalados em áreas de risco, auxiliarão no monitoramento das regiões do Vale do Paraíba, Litoral Norte, regiões metropolitanas de São Paulo e de Campinas e algumas cidades do sul fluminense e mineiro.

O RMT 0200 é um radar meteorológico “banda S” de dupla polarização em estado sólido. Ele consegue fornecer, por exemplo, dados sobre a formação de nuvens densas que crescem rapidamente e provocam tempestades volumosas e monitora o tamanho das gotas de água e dos cristais de granizo existentes nessas nuvens. Com essas informações, é possível prever o volume, a localização e o momento em que ocorrerá a precipitação.

Prevenção
Uma crítica frequente da área de Defesa Civil da Confederação Nacional de Municípios (CNM) são as poucas e não suficientes ferramentas de prevenção a desastres naturais no Brasil. Estudos da entidade mostram que os valores gastos com resposta aos fenômenos naturais superam em mais 80% os montantes destinados à prevenção. A área técnica acredita que informações mais precisas e alertas antecipados podem mudar tal realidade.


Da Agência CNM de Notícias

Voltar